Recensão crítica a Estojo, de Miguel-Manso